(11) 2500-0123 | (11) 94150-1718 ragomes@uol.com.br

Doença Renal Crônica - DRC

O que é DRC (Doença Renal Crônica)?

A DRC (Doença Renal Crônica) é uma doença silenciosa. Os sintomas só aparecem nos estágios mais avançados. Hoje, existem 100 mil brasileiros em tratamento, dependentes de uma máquina para sobreviver e muitos aguardam na fila de espera por um novo rim. De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia, 75% das pessoas que começam a diálise nem sequer sabiam que estavam doentes. No Brasil ainda há falta de diagnóstico e descobrir o problema precocemente pode conter o avanço da doença.

São 10 milhões de pessoas com disfunção renal no Brasil, com crescimento de ao menos 8% ao ano, devido ao envelhecimento da população e ao aumento do grupo de risco.

Quase 90% da fila de espera por um transplante de órgão em todo o país aguarda um rim. Os rins são vítimas de uma série de doenças, hábitos de vida e situações cotidiana, assim como a automedicação, especialmente a de anti-inflamatórios.

Como diagnosticar  a Doença Renal Crônica -DRC?

Para detectar se o seu rim está funcionando normalmente, peça para seu médico um exame de urina (com dosagem de albuminúria) e outro de sangue (com dosagem de creatinina). Os testes são simples e vão dizer qual é a taxa da sua função renal. Se estiver tudo bem, eles devem ser repetidos periodicamente, a critério do médico. Só esses dois exames já podem antecipar em até 20 anos uma doença renal em seu estágio terminal.

Quem corre riscos?

Diabéticos, hipertensos, obesos, idosos, fumantes, sedentários e aqueles com histórico de doença renal na família são os que mais têm risco de desenvolver a DRC (Doença Renal Crônica).

Doença Renal Crônica e suas Complicações

Pessoas com DRC (Doença Renal Crônica) têm elevado risco cardiovascular, que pode levar a doença coronariana, a ataques cardíacos e AVC´s (Acidentes Vasculares Cerebrais). São vários os fatores de risco para isso, tanto os tradicionais (hipertensão, diabetes, dislipidemias) como os próprios relacionados à DRC, associados à síndrome da uremia, como a anemia, distúrbios do metabolismo mineral e ósseo, inflamação crônica, desnutrição, aumento do estresse oxidativo.

Outro fator também relevante é que na doença renal crônica, o controle adequado do sódio e água corporal pelos rins está prejudicado, provocando muitas vezes o aparecimento de inchaços. Esta retenção de sódio e água pode levar também ao aumento do peso corporal, à hipertensão arterial, insuficiência cardíaca e até acúmulo de líquido nos pulmões. O controle da ingesta do sódio e água pelos renais crônicos é um ponto fundamental do tratamento.

Bem como, coceira na pele pode ser um sinal da doença renal crônica e acontece na maioria dos pacientes com DRC em estágios avançados. São várias as causas, como excesso de fósforo, cálcio, histamina ou outras toxinas urêmicas. Para amenizar o problema, é essencial usar sabonetes próprios, evitar banhos muito quentes e aplicar uma boa camada de creme hidratante, além, é claro, de uma boa diálise e adoção de uma dieta adequada. Também podem ocorrer ressecamento e descamação da pele, hiperpigmentação, calcificações, equimoses, pápulas e até perfurações. Fiquem atentos e se cuidem. Conversem sempre com seu nefrologista e, dependendo do caso, também com o dermatologista.

Quais são os cuidados básicos para prevenir DRC?

Alguns cuidados básicos são de extrema importância para os seus rins e especialmente para a sua saúde como um todo:

  • controlar a pressão arterial;
  • medir sempre o diabetes;
  • fazer atividade física regularmente;
  • manter o peso adequado;
  • ter uma alimentação saudável;
  • beber bastante água;
  • não fumar;
  • só usar remédios com orientação médica.

Entre em Contato

VOCÊ TEM DÚVIDAS SOBRE NEFROLOGIA? FALE CONOSCO AGORA.